A ENTREVISTA – “PROFESSOR RAIMUNDO STYLE”

Voltando ao compromisso de relatar nosso histórico, hoje eu vou tentar fazer um breve relato* sobre como foi a nossa “temida” Entrevista. Bom, nos nossos planos pra quem não sabe, a gente ia até fazer uma viagem de reconhecimento que acabou não rolando. Por isso, nosso planejamento foi reajustado no meio do caminho, e como estávamos acompanhando os relatos, nós acreditávamos que as Entrevistas iriam terminar no final de Novembro/2010. Ou seja, só 2011 pra gente! Mandamos o DCS na boa, cuca fresca. Na semana seguinte recebemos e-mail convocando para a famigerada Entrevista pra dali a menos de 1 mês. Medo! Ansiedade! Tremi na base pra falar a verdade. Mas resolvemos encarar. Em meio à esse turbilhão de emoções eis que a cegonha Deus nos envia a pequena Laís. C’est-à-dire: tremer na base x 1000! Mas acabou sendo mais um motivador. Afinal, essa imigração sempre teve foco no aspecto “futuro”, então…

A entrevista, acreditem, não é um bicho de sete cabeças.

Aí, chegou o dia e nós felizmente passamos na Entrevista. Simples assim. Como assim? Vapt-vupt? As coisas sempre foram tão difíceis pra gente, então porque agora foi “melzinho na chupeta”? Vejam, não é bem assim: tínhamos marcado para 10hs e de cara fomos barrados na porta do prédio… coisas de segurança, nosso nome não estava numa tal lista, o que já nos deixou totalmente cagando de medo gelados. Depois o mal entendido se resolveu e quando chegamos ao BIQ fomos informados que a Soraia Tandel nos entrevistaria mas estava atrasada. Conclusão: +/- 1 hora e meia de atraso. E o nervosismo bombando, gente entrando e saindo e nós lá esperando. Imaginem.

Enfim, chegou a nossa hora e Mme. Soraia pediu mil desculpas, disse que estava doente, e coisa e tal. Blá! Acho que ela até deu um descontinho pra gente, foi menos exigente talvez, depois de todo inconveniente, pois a maledeta Entrevista e análise dos docs foi muito rápida e tranquila. Em menos de 30 minutos tiramos 1 tonelada das costas. Ela pediu pra ver nossos passaportes, boletins/diplomas, depois perguntou sobre minha formação e a da Lizie, queria saber o que nós estudamos, etc. Perguntou sobre meu emprego atual, pediu carteira de trabalho… mas isso ela mal olhou. Foi bem rápido mesmo. Depois mostrei minhas pesquisas de emprego no QC, ela olhou, gostou mas não falou mais nada. Elogiou nosso francês, perguntou sobre nossas aulas. Enfim, disse que seríamos aceitos pois a nossa pontuação já havia alcançado o necessário. Nessa hora quase tivemos um surto psicótico! Pensei até em tascar um beijo nela! Dali pra frente até perdi umas coisas que ela ia falando tamanha adrenalina. Tivemos aquela sensação de “mas já?”, pois a gente havia se preparado com tantas perguntas e estudado dia após dia, nos cobramos demais antes de chegar lá e necas. Lizie ficou ainda mais “brava” porque mal falou com a Soraia. Melhor assim do perguntinhas escabrosas, não é mesmo? Mas ficou um sentimento de que estudamos muito pra colocar pouco em prática. Meio decepção. Falamos pouco porém tudo direitinho, sem erros. Mas meu conselho segue sendo o de “estudar mais do que se precisa”. Vale a pena! Depois ela começou a imprimir toda a papelada, explicou sobre as vias dos CSQs, entregou folhetos e instruções pro Federal e pra francisação. Eu saí com F e Lizie com NF. Ela não nos fez nenhuma pergunta em inglês. Só reparei isso no dia seguinte. Bom, eu devo ter esquecido os pequenos detalhes mas no geral foi isso.

Tem vezes que a gente pensa em desistir, se desespera… mas acho que o que é nosso tá bem guardado e só vem pra gente na hora em que Ele decide. Cada pequeno obstáculo no nosso caminho tem uma razão de existir. E o nosso caminho em 2010 também teve suas complicações: problemas financeiros, de saúde, trabalho estressante, sair de casa 7:30hs e voltar depois das 23hs… Sonhos indo pelo ralo, e mais dúvidas e incertezas. Misturado a isso, os probleminhas diários de qualquer mortal. Mas chegamos lá! E tinha que ser deste jeito. Inseguranças à parte, aqui estamos nós com o CSQ em mãos, o Federal encaminhado e prontos para enfrentar os próximos desafios.

A mensagem que eu gostaria de deixar para todos aqueles que vão passar por essa “batalha” de 2011 em diante é que ao tomar conhecimento do Processo de Imigração do QC, primeiramente analisem bem os prós e os contras e não se deixem levar apenas pela empolgação, por conselhos de amigos, propaganda na TV, etc. É um processo lento, trabalhoso, estressante e que requer muita dedicação e preparo. A velha máxima: imigrar não é para qualquer um! É a mais pura verdade. E quando decidirem que vale mesmo a pena, façam tudo o que for necessário com o coração e a alma. A Entrevista foi mesmo só a pontinha do iceberg. Ainda tem mto por vir.

* e eu consigo ser breve por acaso? humpf!

Anúncios
Esse post foi publicado em entrevista, francisation, histórico, Laïs. Bookmark o link permanente.

7 respostas para A ENTREVISTA – “PROFESSOR RAIMUNDO STYLE”

  1. E isso ai.A Tendel sepre foi assim com todos.Nunca atrasa, contudo.Se você for chamado logo após o envio dos documentos, para entrevista. Você já esta aprovado! Agora é importante resaltar que não se deve mentir. Vi isso acontecer, o casal foi chamado porque parecia interesante e prioritário e bimba! Recusados! O Cara mentiu na formação, na lingua, e o pior ele tinha 48 anos e mulher 20. Não deu outra perderam todos os pontos. Desconfiaram que eles não eram casados e que se tratava de enrolação. Tem gente para tudo,não mesmo! Para lascar masi ainda, o sujeito teve a coragem e ir encher os pacovás do pessoal nas comunidades do orkut, querendo enteder o porque não fora aceito! Que injustiça etc!!

  2. mamãe ZO disse:

    Olá Thiago!
    Então, parabéns!
    A nossa entrevista também foi com a Mme. Tandel e também foi bem rápida, uma meia hora de papo (não muito descontraido, é verdade) e depois uns 15 minutos de explicações sobre francisação, e queo resto do processo seria com o consulado e etc, etc…
    Nós conseguimos o nosse número de processo com a Maura em uma das ligações que fizemos, mas dizem, a própria Maria João diz, que se você que saber alguma informação concreta e segura do consulado, deve escrever uma carta em inglês ou francês e enviar por sedex ao consulado que, desse modo, eles serão “obrigados” a te dar uma resposta formal.
    De qualquer maneira o numero do file não alivia muito, seu processo não aparece no e-cas, nada muda, mas se quiser conseguir o seu, bem certinho, eu te aconselho mandar uma cartinha.
    Um abraço e bon courage!

    Mamãe ZO

  3. Les Lapins disse:

    Oi Thiago!!
    Vi sim , inclusive já devorei o plano e fiz um post sobre (citei o link que vc sugeriu inscrusivis)!!
    Menino, eu quase tive um…um…um treco quando vi tudo aquilo, quase beijei a tela do computador!!
    Ja adotei o Gilles como meu tio. Tio favorito! rsrs
    Bjocas na familia toda, lambidas da Pi nas pituquinhas (ela falou para vc traze-las logo!)
    Erika

  4. Daniel Cunha disse:

    Legal essa entrevista heim.

    Estamos no impasse de mandar ou não mandar o formulário. Eu ainda não me sinto seguro em relação ao francês, mas minha pontuação é bem legal em outros aspectos. Queria muito dar entrada logo pra tocar outros itens da minha to-do-list.

    Boa sorte nessa nova etapa do processo
    Abraço
    dOsCunha

  5. ericsobral disse:

    Parabéns pessoal!! Também tive a impressão de que a minha entrevista foi rápida e fácil demais, mas cá entre nós eu acho muito legal sensação. Isso nada mais é do que a prova que todo o esforço feito valeu a pena.

    E podem acreditar, agora que devem começar a estudar. Desde que passei na entrevista (mês que vem completo 1 ano), nunca deixei de estudar francês e já melhorei MUITO depois dela. Mas mesmo assim tenho certeza que ainda tenho muito a aprender.

    Boa sorte no processo federal e que tudo sempre aconteça no seu tempo. 🙂
    Abraços
    Eric Sobral
    http://eunoquebec.wordpress.com

  6. Apoema disse:

    Parabéns pra vcs:) A nossa foi em novembro, um dia depois do meu aniversário…vcs acham que tinha clima pra comemorar qquer coisa com o nervosismo, tensão e ansiedade em que estávamos?Nossa entrevista começou atrasada e fomos os últimos daquele dia e para os quais o M. Leblanc e deu a grata notícia de aprovação. Mas ficamos um bom tempo com ele, respondemos várias coisas e ele conversou um pouco em inglês com meu marido, deu tudo certo e, assim como vcs, ele continuou falando conosco após as felicitações e eu nem sei direito o q ele disse pq ainda estava curtindo o alívio do momento:)
    Entramos com o processo federal em janeiro e nenhuma notícia até o momento…
    Boa sorte nessa jornada!

  7. Kantynho disse:

    Boa sorte com as próximas etapas!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s