O PRIMEIRO OBSTÁCULO: AS AULAS DE FRANCÊS

Revisitando nossa memória, hoje vamos contar como foi que fizemos aproximadamente 400 horas de aulas de francês em apenas 6 meses.

Aprendendo francês québecois: a missão

É, não foi fácil. Bom, vamos começar do começo. Eu, sou formado Técnico Tradutor e Intérprete. Lá pelos idos de 1998 concluí o curso mas nunca atuei como um tradutor de fato, apesar desse título ter-me aberto várias portas. Então, eu já tive contato com o francês no passado (450 heures environ). Mas como o passado já tinha passado faz muito tempo, eu não lembrava de quase nada. Fiz uns cursinhos online pra recordar alguma coisa. O FrancoClic, oferecido num acordo Brasil x França. E outro no Busuu, muito bacaninha. Mas cursos assim são só pra francês ver. Eu sabia, que mais cedo ou mais tarde teria que me matricular em alguma escola.

Enquanto isso, a Lizie, que de francês só conhecia baguete, abajur e mercibocú, foi direto pra escola e lá fez suas primeiras horas. Estava tudo correndo bem. O que pegava era a luta contra o tempo. Nos propusemos acelerar os estudos pra adiantar nosso processo. Queríamos enviar o dossiê ao BIQ ainda em 2010. Então era preciso estudar no esquema intensivo, o que não foi fácil. Quando a gente achava a escola com intensivão, ou o preço não cabia no bolso, ou não formava turma, ou os horários não batiam, ou o conteúdo não interessva, ou… enfim, foi difícil. Até que depois de muita pescoçada e negociação fechamos um curso sob medida pra gente.

Trocando em miúdos, ficamos cerca de 6 meses estudando 4 vezes por semana, 3 horas por dia. Fora o tempo dedicado em casa e d’autres choses que a gente arrumava pra fazer nas “horas de folga”, como filmes, literatura, etc.

Olhando pra trás, vejo o quão louco fomos. Abandonamos nossa rotina e nos fechamos para outras coisas para nos dedicarmos apenas ao idioma. Mas apesar de tudo, valeu a pena. Não sei se eu faria isso de novo, mas repito, valeu a pena. Foram meses estressantes, foco total e o medo da tal Entrevista que estava por vir. Mas a nossa dedicação e força de vontade falaram mais alto. Tenho orgulho dessa fase da nossa vida.

Foi o tempo em que conhecemos as pessoas das quais guardamos um enorme carinho, desde que entramos na onda da Imigração. Os professores que nos colocavam pra cima mesmo vendo como a gente tava falando mal. “Vous allez passez, Monsieur Jacques!”, dizia um deles pra mim, pois Jacques é o equivalente para o meu nome, em francês. E completava: “Il y a beaucoup… BEAUCOUP d’opportunité là bas!”. Todo pimpão. Foram pessoas incríveis! Alguns viraram nossos amigos pessoais. Repito, valeu a pena!

E foi nessa época que nos demos conta de que imigrar não é pra qualquer um. Ostie!

Anúncios
Esse post foi publicado em éducation, français-québecois, histórico. Bookmark o link permanente.

5 respostas para O PRIMEIRO OBSTÁCULO: AS AULAS DE FRANCÊS

  1. Daphne disse:

    Olá! Muito bom ler posts como esse… comecei o francês há 02 semanas e pretendo dar entrada no dossie em 06 meses!! Espero ter essa sensação de “valeu a pena” também!!Deus ajude!! hehehe

    • thiagoocampo disse:

      Daphne,
      Estudar francês é a parte mais difícil para alguns, mas sem dúvida a mais importante para o sucesso do processo. Vamos nos preparar! Encare com tranquilidade e td sairá melhor. Boa sorte!

  2. Les Lapins disse:

    Ah, vcs. ficaram muito tempo estudando francês e provavelmente nao tiveram tempo de estudar tuvaluvês arcaico, entao deixa eu traduzir para vcs:
    “laguel” siginifica “aluguel” em português, tá? rsrs

  3. Les Lapins disse:

    Oi Thiago, tudo bem??
    Bom, embora tenha sido puxado, com certeza vcs. verao que compensara cada minuto e centavo! Tempo record mesmo, parabéns pela dedicaçao.

    Sobre o saléario mínimo, acho importante lembrar que a maioria das vagas aqui é para trabalhar 37,5 hs. O que multiplicado por 4 dá bruto $1447. Mas nao esqueça que dá uns 8% de desconto. Multiplicado por 2 pessoas, da em torno de $230,00 de desconto. O que corresponde a uns 35% de um laguel de um bom 4 1/2 em Laval.
    Mas vc. tem razao, definitivamente nao é um mal salário quando comparado com o brasileiro e mesmo se o primeiro emprego aqui for para ganhar o mínimo, dá para pagar as despesas básicas caso 2 estejam trabalhando na casa.

    Abraços
    Erika

  4. Puxa, que labuta, hein?
    O melhor é isso: descobrir que imigrar não é pra qualquer um, mas é para vocês! ^^
    Beijos,
    Lídai.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s